Arquivo da tag: Vida

Minhas duas licenças do doutorado

Já se passaram 5 meses desde meu úlitmo post neste blog. Cinco meses tentando incessantemente concluir minha tese de doutorado. Era um sonho, um alvo a ser atingido antes que meu bebê nascesse. Até semana passada, estava certa (ou iludida?) de que conseguiria. Disse aos supervisores e amigos que iria escrever a tese até minha bolsa se romper.

Acho que a motivação te leva a caminhar boa parte da estrada, mas não é tudo. Eu estava super motivada e determinada. Escrevi até onde pude. E queria continuar escrevendo. Mas, outras prioridades vieram ao meu encontro e tive que passá-las na frente da tese. Essa semana, completando 37 semanas de gestação, comecei a sentir as primeiras contrações que antecedem o trabalho de parto. Corpo e mente já estão entrando em sintonia para dar à luz ao meu bebê. Vi que não dava mais para escrever linhas novas em minha tese de doutorado. Meus pais até chegaram para me ajudar. E ao invés de me trancar no escritório para escrever, eu queria muito aproveitar a companhia deles, lavar as roupinhas do bebê junto com minha mãe, parar e deixá-los sentir o bebê mexer, registrar o momento em fotos, e tudo o mais que esse período tão especial e único em nossas vidas possa nos oferecer. Então concluir que a tese podia esperar. Foi assim que ontem assinei a minha segunda licença do doutorado.

A primeira, vocês já podem supor. Foi quando tive que parar meus estudos para tratar um câncer de ovário. A primeira licença me trouxe o medo da morte. A segunda me traz a esperança de vida. Na primeira, eu fui forçada a fazê-lo. Na segunda, eu escolhi priorizar a vida e a família. A primeira foi por razões de enfermidade. A segunda por razões da maternidade. Que contraste!

Confesso que por estar bem determinada a cumrpir com a escrita da tese, essa semana, ao tomar a decisão da licença, eu me senti um pouco frustrada. Poxa, não foi dessa vez ainda. Agora as pessoas vão me perguntar, “e o doutorado?”, e eu direi “ainda não concluí, dei uma pausa para dar à luz ao meu bebê”. E garanto que muitos irão pensar ou até dizer, “mas, seria tão bom se você tivesse concluído. Agora você poderia ficar por conta do seu bebê”. Realmente, isso seria o ideal. Mas, esse ideal não se tornou possível na minha vida. A tese vai ficar para depois. Ficaram para trás aproximadamente 30 páginas para completude da tese, o que não é trivial se você pensar em uma tese de doutorado. Vai ter que realmente ficar para depois. Depois de 4, 6 meses ou até 1 ano. Ainda não dá para saber.

Sei que a maternidade irá mudar a minha vida. E com ela outras prioridades virão, certamente. Mas, creio e peço a Deus, que eu tenha a oportunidade de voltar ao doutorado e concluir a minha tarefa. Cumprir cabalmente o meu projeto.

Sei também que Ele está no controle desta pausa. Assim como esteve no controle da primeira pausa. Tudo vem dEle e é para Ele. Tudo tem o seu tempo.

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.”

II

 

 

 

 

 

Anúncios

A morte e a vida têm o mesmo mistério

Esse ano foi um ano de perdas importantes na minha família e no meu círculo de amizades. No começo do ano, um tio querido foi se encontrar com o Senhor. Em Maio, uma das minhas melhores amigas também foi se encontrar com Cristo. E agora em Outubro o Senhor chama repentinamente meu primo de apenas 32 anos de idade.

Todas as perdas foram muito dolorosas. Mas, em todas as perdas, nós também experimentamos um consolo de Deus sem igual. A dor extravagante aos poucos foi dando lugar à paz e à esperança que só podem vir do Espírito Consolador de Deus. Sim, o Espírito de Deus é Consolador em sua natureza. Deus sofre conosco, como relatei aqui em um post anterior, e nos consola de maneira sem igual, como nenhum outro deus neste mundo.

Tanto na família da minha amiga quanto na família do meu primo, o Senhor manifestou o Seu consolo com a chegada de uma nova vida na família. Um mistério. Na família da minha amiga, o seu irmão e cunhada que tentavam engravidar há mais de 10 anos, “de repente” ficam grávidos no mês de sua partida.

Na família do meu primo, no dia de sua missa de sétimo dia, seu irmão mais velho anuncia que vai ser papai, pela primeira vez, e de surpresa, sem planejar. A missa que era de choro se torna de alegria e esperança por receber esse consolo de Deus sem igual. Gratos por uma nova vida chegando à família assim, “de surpresa”.

E essas não são as únicas histórias de vidas surgindo em meio ao luto. É muito comum Deus consolar corações enlutados dessa forma supreendente, misteriosa e cheia de vida.

Já dizia o pai de um amigo meu “a gente morre do mesmo jeito que a gente vive”. O dia da chegada e da partida ainda é um mistério grande da vida, que só pertence ao Seu Autor. Enquanto aqui estivermos, vivendo a vida que Deus nos dá, precisamos ter essa ciência que somos chamados a sermos administradores/mordomos de nossa vida. Dono mesmo é o Senhor! É Ele que tira e é Ele que dá. Em tudo, que Seu Nome seja sempre louvado!

O ano está terminando, e meu coração está cheio de paz, consolo e esperança. Uma esperança fundamentada em Cristo, no Autor e Consumador de minha fé e vida e de vidas que Ele nos dá.

hibisco_renascimento

 

 

O que aprendo com os meus amigos longevos

Eu e meu marido somos pessoas que valorizam muito a amizade com pessoas idosas. Temos grandes amigos que nos inspiram com sua longevidade, alguns já estão na casa dos 80 e dos 90! Muito ativos e cheios de vitalidade. Tanto no Brasil quanto no Canadá Deus nos presenteou com a amizade de amigos longevos e que nos ensinam muito como viver a verdadeira vida. Aqui eu trago oito lições que aprendi e que ainda aprendo com esses queridos amigos:

  1. Não reclamam da vida: é impressionante como isso é uma atitude comum a todos eles. Eu nunca vi nossos amigos longevos reclamando da vida, do clima, dos filhos, das dores, da velhice, de ninguém. Eu e meu marido já fizemos um exercício de tentar lembrar de alguma reclamação deles. Nada nos veio à mente. Duas dessas amigas, já em sua terceira idade, passaram pelo tratamento de câncer. E nem assim reclamaram. Encararam como um fato da vida que estavam sobretudo no controle de Deus. Além de não reclamarem de nada, também não dão muito ouvidos às nossas reclamações. Quando reclamamos com eles de alguma coisa, eles logo abreviam a conversa e dizem, “ok, vamos orar sobre isso!”.
  1. Estão sempre gratos por alguma coisa: ao invés de reclamarem, nós sempre vemos neles gratidão. Estão sempre dando graças por alguma coisa. Por alguma bênção na família, por uma conquista do neto ou de um filho, pela fruta no pé no quintal de casa, pela cachorra que está saudável, e o motivo maior de sua gratidão, por alguém ter aceitado a Jesus como Salvador! Assim eles se alegram profundamente por saber que aquela pessoa não vai mais perecer eternamente.
  1. São ativos fisicamente: seja caminhando com o cachorro, jogando tênis, nadando 3 vezes por semana, ou simplesmente visitando aqui e ali, nenhum dos nossos amigos longevos são sedentários.
  1. São ativos intelectualmente: muitos deles já foram professores, educadores, ministros e missionários. Têm como hábito a leitura da Bíblia, de livros, de artigos, e ainda se informam sobre o que acontecem no mundo. São intelectuais e antenados com a atualidade. Alguns deles ainda escrevem artigos para revistas em seus plenos 80 e 90 anos.
  1. Têm uma dieta equilibrada: quando vamos à casa deles sempre os vemos comendo de tudo, mas não são glutões. Comem o necessário para a idade. E dão preferência à comidinhas saudáveis. Quando jovens, tinham a vida bem ativa e nunca mencionaram pra gente que fizeram dieta.
  1. São sociáveis: esses nossos amigos vivem rodeados de pessoas, da família, dos amigos da vizinhança e da igreja. Eles têm a agenda cheia de encontros sociais. Sempre estão visitando e sendo visitados. Gostam de estar com pessoas. E as pessoas amam estar com eles.
  1. Respeitam o descanso: mesmo tendo a agenda cheia de compromissos, eles sabem da necessidade de descansar e zelam por isso. Sempre que ia visitar um dos casais de amigos lonjevos, eles marcavam a visita para depois da soneca do Domingo. Todos nós precisamos de um dia de descanso por semana. Um dia para andar devagar, para contemplar, para bater papo sem pressa e para adorar ao Senhor.
  1. Têm Jesus no coração: por último e não menos importante, nossos amigos longevos têm seus corações guardados em Deus. Esperam em Deus o renôvo de suas forças antes de qualquer coisa nesse mundo. Entregam para Deus os problemas e esperam nEle a solução. Espalham o Amor de Jesus por onde passam. Oram juntos todos os dias por todos os membros da família, pela obra de Deus, pelos desafios. Não são escravos do medo, mas andam com confiança nAquele que é maior.

Um dia desses eu perguntei a um deles, “Pastor, qual é o segredo de ter uma família tão abençoada?”. Eu achei que ele ia sentar comigo e me ensinar os 10 passos para se ter uma família abençoada. Ele disse “É Deus que dá e é Deus que cuida”. Vale ou não à pena deixar tudo aos pés do Senhor? Tenho certeza que o modelo de serviço e temor a Deus, associado às orações diárias por sua família, impactaram positivamente a vida de seus mais de 50 frutos!

A atitude desses amigos também têm impactado a nossa vida profundamente. São verdadeiros mentores na nossa caminhada com Deus. Nos inspiram a viver uma vida longa e temente ao Senhor. Nos ensinam o que realmente importa nessa vida. Já adquiriram a sabedoria. E esta os enriqueceram muito mais do que o dinheiro. A alegria e o contentamento são exalados de seus corações. E a esperança de uma vida com o Senhor os fazem não temer a morte. Pelo contrário, eles vivem como se tivessem mais 90 anos pela frente!

Aos nossos Amigos longevos, o nosso amor e a nossa gratidão pela amizade de vocês!
Cherry_Blossoms

Parabéns pela Vida!

Você já parou pra pensar que no seu aniversário as pessoas te congratulam pelo simples fato de você existir? Os amigos e a família não falam “parabéns por tal conquista”, “parabéns pelo novo emprego”, “parabéns por isso ou aquilo…” etc… Não, eles te dão os PARABÉNS por você ter vida, e só!

E isso me encanta, sabia? De ver que a vida é mesmo algo especial e que contagia a todos nós pela sua essência… uma essência sobrenatural! Um dom mesmo! Uma dádiva do Alto! Que alegra o aniversariante e os aniversariados!

Comecei o meu dia de aniversário no hospital por causa de uma gripe forte, que acabou sendo diagnosticada como princípio de pneumonia. A companhia amável e paciente do meu namorado não deixou que a febre e a dor no corpo acabassem com a festa… mesmo assim cantamos Parabéns no hall do hospital por volta da meia noite e pouquinho e agradecemos a Deus pela vida, por eu estar sendo medicada e tratada para continuar a viver!

Descansei, tomei os remedinhos e passei o dia lendo os recadinhos no meu facebook que chegavam a cada 5 minutos (e acabo de reler todos agora)… e os Parabéns Pela Vida estavam lá! As bênçãos foram rogadas! Os desejos de felicidades, saúde e sucesso foram reforçados a cada mensagem carinhosa de gente próxima e de amigos que não vejo há tempos… E eu falei AMÉM para todos eles! De todo o meu coração, muito obrigada!

Terminei o dia com uma festa surpresa da família Buzelli, que é tão recém-conhecida, mas já tão amada por mim! Eles alegraram o meu coração e me fizeram esquecer de que tava meio dodói por um tempo… Aquelas crianças lindas e amorosas (os 8 sobrinhos do meu namorado) fizeram a festa ficar mais festiva e especial ainda! Depois o corpo foi pedindo repouso de novo e tive que voltar pra casa para descansar mais.

Então hoje, revendo como passei o dia do meu aniversário, agradeci muito a Deus pela VIDA! Pela oportunidade de celebrar esse dom especial que nos é concedido dia-após-dia… e que independente das circunstâncias, viver sempre nos trás a esperança de dias melhores… com mais saúde, com novos sonhos… E ainda mais depois de um ano tão difícil, foi mais que especial não só para mim, mas para os meus amigos e família também, celebrar mais um ano de vida e com votos de felicidades!

Que mistério é esse que envolve o coração das pessoas em dias de aniversário? Por que celebrar a vida é tão especial? É porque a vida não foi conquistada por você! A gente não determinou nascer em um certo dia, com o nome tal, em determinado país… A vida nos foi dada graciosamente pelo Autor e Consumador dos séculos! E eu creio a cada dia que não tem como a gente conquistar a vida! Tem como a gente administrar a vida, cuidar da vida, desenvolver a  vida… mas, conquistá-la por conta própria e determinar o quanto de tempo você vai viver nessa terra… jamais! (e aqui não estou levando em consideração as pessoas que querem tirar a própria vida e de outros na sociedade em que vivemos).

Então a cada ano de vida que se vive, consciente ou inconscientemente, nos lembramos que vivemos pela graça, ou seja, que é um milagre mesmo viver e que isto não vem de nós, é dom de Deus, e portanto, nos alegra e nos faz festejar!!!

Este slideshow necessita de JavaScript.

%d blogueiros gostam disto: